Nos Deixou

Paul Auster escritor norte-americano, morre aos 77 anos

Além de escritor, Auster também atuou como tradutor, roteirista e poeta

Paul Auster, o aclamado autor norte-americano de “A Trilogia de Nova York”, morreu aos 77 anos.

Auster, que nasceu em Newark, Nova Jersey, em 1947, teve uma longa carreira não apenas como romancista célebre, mas também como ensaísta, tradutor, roteirista e poeta, cuja obra foi publicada em mais de 40 idiomas.

Vários meios de comunicação informaram que a morte de Auster foi confirmada por seu amigo e colega autor Jacki Lyden.

Auster começou a traduzir obras de escritores franceses quando se mudou para a França após se formar na Universidade de Columbia em 1970. Foi então que ele também começou a publicar seus próprios trabalhos em periódicos americanos.

O maior reconhecimento veio após a publicação de “The New York Trilogy”, uma série de histórias experimentais de detetive, em 1987. Seus outros romances mais vendidos incluem “4 3 2 1”, “Sunset Park”, “O Livro das Ilusões” e “Palácio da Lua”

2017-paul-auster-prolific-prize-81008720

No ano passado, a esposa de Auster, a escritora Siri Hustvedt, revelou que ele estava com câncer. Compartilhando a notícia no Instagram, ela disse que ele havia sido diagnosticado em dezembro de 2022, que estava em tratamento e que ela morava em “Cancerland”.

Poucos meses depois, Hustvedt postou uma foto dela e de Auster, com quem morou por mais de quatro décadas, e uma atualização sobre o estado dele.

“Observando Paul, entendi como é a graça sob pressão. Robusto e sem reclamar, com humor intacto, ele fez deste período de sua doença, que já dura quase um ano, lindo, não feio”, escreveu ela.

Grande parte da ficção de Auster explorou a ideia de si mesmo e muitas vezes o apresentou em encarnações veladas, levando muitos críticos a especular sobre o uso da autobiografia. Outra preocupação em seu trabalho foi a questão do acaso e do destino. Em “4 3 2 1”, publicado em 2017, o personagem principal do romance vivenciou quatro vidas alternativas.

Uma experiência inicial de como a vida pode mudar num instante teve uma grande influência em Auster e na sua escrita. Numa entrevista à BBC antes da publicação em 2012 do seu trabalho autobiográfico “Jornal de Inverno”, Auster disse que o acaso e a coincidência são o que ele descreveu como a “mecânica da realidade”.

Ele explicou: “Coisas inesperadas acontecem o tempo todo com todos e, na verdade, grande parte da vida gira em torno do acaso. Existem muito poucos fatos necessários. Suponho que os únicos são: uma vez que você nasce, você está destinado a morrer e praticamente tudo o que está no meio está à sua disposição”.

Auster então descreveu como, com apenas 14 anos, ele estava fazendo uma caminhada com um grupo de 20 meninos quando eles foram pegos por uma tempestade. Um de seus colegas foi atingido por um raio e morreu.

“Isso mudou absolutamente minha vida”, disse ele. “Penso nisso todos os dias. Isso nunca vai embora. Foi minha primeira grande lição sobre os caprichos da vida, como tudo é instável, como as coisas podem mudar rapidamente. De um piscar de olhos para outro, o mundo é totalmente diferente.

“Aqui estava um menino de 14 anos, feliz, vivo e um instante depois estava morto.”

O impacto deste episódio foi para toda a vida, disse ele. “Não vivi guerras, pestes… mas esta é a minha experiência de guerra. Acho que esse é o tipo de coisa que os soldados passam o tempo todo. Eu era jovem e isso me causou uma enorme impressão, então se você quiser falar sobre minha filosofia, esse é o cerne de tudo.”

Auster, que morou no Brooklyn, Nova York, recebeu inúmeras homenagens, incluindo o Prêmio Príncipe das Astúrias de Literatura da Espanha em 2006. Ele foi membro da Academia Americana de Artes e Letras e Comandante da Ordre des Arts et des Lettres da França.

Publicando no X, a conta do The Booker Prizes prestou homenagem a Auster, escrevendo: “Estamos muito tristes em saber da morte do finalista do Booker Prize, Paul Auster, cujo trabalho tocou leitores e influenciou escritores em todo o mundo, e cuja generosidade foi sentida em tantos lugares. Apresentamos nossas condolências à sua esposa Siri Hustvedt e sua família.”

Fonte: CNN Internacional
Roberto Ricciuti/Getty Images

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo